Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

More than words.

More than words.

falling in love - capítulo 13

 

Apanhei um taxi e fui para casa subindo rapidamente as escadas até ao meu quarto antes que os meus pais me vissem. Não estava com vontade nenhuma de ouvir as perguntas deles ao verem os meus olhos completamente vermelhos e molhados de ter vindo o caminho todo para casa a chorar. Deitei-me na cama e fechei os olhos com força como se conseguisse fazer com que tudo aquilo desaparecesse e a minha vida voltasse ao normal: eu e o Tom juntos e felizes. Mas agora isso parecia que estava longe de voltar a acontecer.

Tirei o meu telemóvel de dentro da bolsa e marquei o número do Tom, precisava de falar com ele e não sabendo onde ele estava não podia fazer outra coisa a não ser ligar-lhe. Aquilo tocou um monte de vezes e depois de várias tentativas acabei por desistir, ele não queria falar comigo e por isso não ia atender o telemóvel. Porquê a mim? Perguntei em pensamento.

*

Passei o resto daquela semana e parte da seguinte a tentar falar com o Tom, no entanto todas as minhas tentativas eram falhadas. Fui por várias vezes a casa dele contudo ele nunca estava e era sempre obrigada a ver o Nate o que me deixava ainda mais deprimida do que eu já me sentia.

 

O fim de semana chegou e sem que eu nada soubesse o Nate tinha mesmo feito aquela festa sobre a qual tínhamos falado e combinado que seria feita… antes de tudo aquilo ter acontecido. No entanto ele não tinha dado importância a isso e no sábado tinha sido praticamente “obrigada” a ir a casa deles para essa tal festa, o Nate tinha-me ligado a pedir por tudo para eu ir, já que as pessoas estavam à espera que nós os três lá estivéssemos. O Tom também ia claro, afinal era a festa dele e pelo que o Nate me tinha dito as coisas entre eles os dois estavam bem. O Nate tinha-me beijado e eu é que tinha levado com todas as culpas, coisa que me deixava chateada com o Tom. Pensava que ele confiava em mim e depois de tudo isto tinha chegado à conclusão que talvez não. Estávamos cada vez mais afastados um do outro e para dizer a verdade neste momento nem sequer sabia se isso me importava tanto como no início…

- Olá… - disse quando depois de tocar à campainha a porta me foi aberta pelo Nate. Conseguia ouvir o barulho da música que vinha de dentro da casa e o grande movimento de pessoas que estavam lá dentro.

- Olá. – ele puxou-me para ele dando-me um beijo na bochecha, engoli em seco e afastei-me passando por ele e entrando dentro da casa. – Ainda bem que vieste. – disse-me quando o senti vir atrás de mim.

- Hmhm… - assenti com a cabeça e olhei em volta vendo todas aquelas pessoas, a grande parte delas eu nem sequer conhecia, deviam ser amigos do Nate ou assim.

- Bri... – o Nate chamou-me e eu virei-me para ele com um suspiro.

- Agora não Nate. – retorqui afastando-me dele e embrenhando-me no meio de todas aquelas pessoas.

Fui pegar num copo com sumo e sentei-me numa ponta de um sofá, estava sem vontade nenhuma de estar ali sabendo que o Nate e o Tom estavam por perto quando o que eu mais precisava era de estar afastada dos dois. Olhei para o lado vendo o Tom sentado num outro sofá e engoli em seco sem saber muito bem o que fazer, acabei por desviar o olhar para um outro sítio qualquer até que de repente fui puxada pelo braço pelo Nate que começou a puxar-me com ele não sei para onde.

- Nate, larga-me! – resmunguei abanando o braço para tentar que ele me soltasse no entanto ele não o fazia, fez-me entrar na cozinha que estava vazia, provavelmente um dos poucos lugares vazios naquela casa neste momento.

- Temos de falar. – disse-me ele fechando a porta e soltando-me por fim o braço.

- Acho que não temos nada para falar. – retorqui olhando para ele e suspirei quando ele se aproximou de mim.

- Bri. – ele segurou-me no rosto impedindo-me de me afastar ou de me soltar. – Eu amo-te… - sussurrou olhando-me nos olhos.

Abanei a cabeça ainda a sentir as suas mãos a segurarem-me no rosto. – Não digas isso por favor… - pedi engolindo em seco.

- Porque não? – perguntou-me ainda de olhos postos em mim, era estranho tê-lo a olhar-me daquela maneira e tentei desviar o meu olhar apesar de ser difícil.

- Porque não quero que digas… - murmurei com um suspiro.

- Sentes alguma coisa por mim? – perguntou de repente e abanei que não com a cabeça continuando com o meu olhar posto num outro sítio qualquer que não no rosto dele.

- Deixa-me ir embora Nate… - pedi engolindo em seco e só senti a sua boca contra a minha, deixei-me ficar quieta enquanto ele estava a beijar-me e quando separou os nossos lábios e me largou saí dali de dentro rapidamente.

Ele não podia beijar-me, e eu não podia beijá-lo… não queria que ele me beijasse…

 

Assim que entrei novamente a sala procurei o Tom que ainda estava sentado no mesmo sítio e fui ter com ele.

- Podemos falar? – pedi-lhe. Ele olhou-me e levantou-se assentindo com a cabeça, agradeci-lhe baixinho e comecei a andar para um sítio mais sossegado onde desse para falarmos.

- Que queres falar comigo? – perguntou-me assim que ficámos mais ao menos sozinhos, visto estarem sempre a passar pessoas por tudo quanto era lado.

- Tens de acreditar em mim Tom, eu não fiz nada… - murmurei olhando-o.

Ele encolheu os ombros e baixou ligeiramente o olhar. – Eu acredito em ti… - acabou por dizer num tom de voz um pouco baixo o que me fez ficar sem ter bem a certeza se ele tinha mesmo dito aquilo.

- Então porque é que estás assim comigo? – perguntei engolindo em seco.

- Não dá mais Bri. – ele olhou-me e suspirou. – É melhor acabarmos por aqui, já não consigo estar contigo da mesma maneira.

Arregalei um pouco os olhos. – Estás… estás a acabar tudo comigo? – perguntei tentando que a minha voz soasse mais alto do que um sussurro.

Ele assentiu com a cabeça continuando a olhar para mim. – Eu acho que tu sentes alguma coisa pelo Nate. – disse-me e antes que eu pudesse falar ele virou costas afastando-se de mim e saindo da minha vida…

Eu não sentia nada pelo Nate a não ser amizade, tudo bem que gostava de o chatear e implicar com ele assim como achava piada ele também estar sempre a chatear-me no entanto isso não queria dizer que eu gostasse dele. Eu não gostava dele daquela maneira…

 

Já só faltam mais dois capítulos para chegar ao fim, espero que estejam a gostar (:

Agora que está mesmo perto do fim e pondo um pouco as team's de parte, com quem acham que a Bri vai ficar?

 

Editado:

Estou a ponderar em quarta haver um novo capítulo e depois no sábado postar o último. Por isso estejam atentas que quarta pode ser que apareça aqui alguma coisa!

14 comentários

Comentar post

Pág. 1/2