Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

More than words.

More than words.

Rebel life (6)

M A D N E S S | via Tumblr

"Sai daqui!"

- Nada melhor para esquecer do que partir para outra. – Ryan riu-se depois de dizer estas palavras e olhou para cada um dos amigos, não queria saber de nada quer fossem ou não apanhados, só queria aproveitar tudo ao máximo, queria divertir-se. – Logo à noite? – perguntou e aguardou a resposta deles.

Madeleine abanou de imediato a cabeça negativamente e mordeu o lábio. – Eu hoje não quero, ainda estou meia traumatizada com o que me aconteceu. – encolheu os ombros e suspirou fazendo um pedido de desculpa aos amigos, preferia manter-se em casa pelo menos esta noite.

Rachel também não podia porque naquela noite tinha de sair para um aborrecido jantar de família. Ryan olhou esperançoso para Kevin, o único que restava, este abanou que não com a cabeça inventando uma desculpa qualquer.

- Chatos. – resmungou Ryan com um revirar de olhos, ia sozinha e iria divertir-se muito na mesma, não era por os amigos não poderem que ia deixar de o fazer.

- Temos muitos mais dias pela frente Ryan. – reclamou Madeleine encolhendo os ombros ao que o amigo lhe revirou os olhos e a ignorou. A rapariga não se importava de mais uma noite de diversão como era óbvio no entanto precisava de recuperar da noite anterior. Olhou para Rachel que também não podia ir e depois para Kevin que tinha dito algo sobre ter de fazer alguma coisa. Não tinha a mesma piada irem sozinhos, quando estavam os quatro juntos era sempre melhor e mais divertido.

Ficaram grande parte daquele dia ali a conversar uns com os outros e a planear futuras aventuras para se meterem. Todos falavam com entusiasmo como sempre e já nenhum se lembrava do que tinha acontecido na noite passada. Ao fim da tarde despediram-se e foram embora do armazém.

*

Já era de noite quando Ryan saiu de sua casa, quer dizer, não podia dizer que era a sua casa. O rapaz perdera os pais quando era ainda uma criança, estes tinham falecido num acidente de viação. Desde essa altura que Ryan tinha ficado aos cuidados de uma tia que infelizmente não tinha muitas posses monetárias, já estava numa idade um pouco avançada e por isso não trabalhava já à alguns anos. O rapaz sempre invejara os amigos neste aspecto, Madeleine e Kevin tinham ambos os pais e apesar de Rachel ter apenas a mãe, Ryan não deixava de ter inveja na mesma, pelo menos tinha um deles.

O rapaz caminhou pelas ruas sabendo já qual seria o seu destino esta noite, numa vinda a casa de Kevin tinha reparado numa pequena loja à beira da sua casa. Era uma pequena loja local, o rapaz precisava de algum dinheiro e por isso nada melhor do que o roubar, ou pedir emprestado como ele gostava sempre de dizer. Aquela loja apenas tinha o azar de estar no sítio errado, Ryan não estava com vontade de procurar mais e aquela ficava perto.

Caminhou sempre com passos apressados e tentando passar despercebido ao lado das escassas pessoas que ainda estavam nas ruas àquelas horas da noite, levantou o olhar para o céu onde uma lua enorme iluminava mais do que nos outros dias. Quando reparou estava já perto da loja, sorriu ao olhar em volta e ver aquilo deserto. Assim era bem melhor, poderia fazer o trabalho à vontade, aquela loja era pequena demais e por isso certamente nem sequer tinha alarme.

Encostou-se à porta que era de vidro e espreitou para dentro da loja que estava na mais repleta escuridão, tirou do bolso um pequeno arame que tinha trazido com ele e levou as mãos à tranca da porta remexendo-a, não ia ser fácil. A fechadura tinha sido reforçada, talvez devido a antigos assaltos ou então devido ao medo de um futuro assalto. O rapaz riu-se sozinho e mexeu mais com o arame na fechadura, parou por momentos olhando para trás quando lhe pareceu ouvir alguns passos mas não viu ninguém.

Encolheu os ombros. – Já estás a imaginar coisas Ryan. – disse para ele e mordeu o lábio quando a porta não cedia às suas tentativas de a abrir. Se não ia a bem então teria de ser a mal, atirou o arame para o chão e deu um empurrão com toda a força na porta fazendo-a ceder um pouco mas mesmo assim não se abriu. Quando se preparava para repetir aquele processo de novo voltou a ouvir barulho vindo de trás dele e desta vez tinha a certeza que era alguém… ou algo.

Virou-se para trás deparando-se com um enorme lobo à sua frente, engoliu em seco e abanou a cabeça, só podia estar a imaginar aquilo. Andou para trás quando o lobo se aproximou dele até ficar encostado à porta.

O animal era enorme, tinha o pelo castanho escuro, as enormes presas estavam à mostra como se o fossem morder ou saltar para cima dele a qualquer momento. Os olhos… bem os olhos eram grandes e amarelos, mostrando apenas aviso mas bastava isso para deixar Ryan morto de medo. Queria fugir dali mas não sabia para que lado se virar ou para onde ir, bastava um passo e aquele monstro poderia muito facilmente acabar com ele.

- Sai daqui! – gritou apenas tentando que a sua voz soasse o mais alta possível, não convinha ser visto por ninguém ali mas o que mais queria neste momento era apenas manter-se vivo. O lobo rugiu-lhe fulminando-o com aqueles olhos enormes fazendo Ryan engolir em seco, olhou em volta não vendo mais ninguém e o seu único instinto foi começar a correr, não havia mais nada que pudesse fazer e não ia ficar ali à espera que a morte viesse até ele.

Começou a correr ao longo da rua, olhou uma única vez para trás vendo o animal ainda parado no mesmo sítio a olhá-lo fixamente, suspirou aliviado quando viu que provavelmente não viria atrás dele. Subiu o muro que ladeava a rua e saltou para o outro lado caindo no chão, praguejou mentalmente devido a toda a sorte que estava a ter naquela noite. Levantou-se dando um pontapé em algo que estava no seu caminho e recomeçou a correr até já estar bem longe dali, um lobo na cidade, naquela pequena cidade onde nunca nada acontecia.

Os outros iam gostar de saber daquilo, e talvez aquela não fosse apenas uma simples cidade como tantas outras… aquele lobo era estranho, era maior do que aqueles que estava habituado a ver e a maneira como o tinha olhado era diferente. Olhando mais uma vez naquela noite para céu o rapaz reparou pela primeira vez que era noite de lua-cheia, abanou a cabeça quando uma ideia idiota lhe passou pela cabeça e uma palavra martelou na mesma: lobisomem. Seria possível que aquela cidade tivesse um lado sobrenatural? Um lado onde os monstros dos filmes que ele já tinha visto fossem reais? Não podia ser possível aquilo, no entanto Ryan tinha visto aquele lobo com os seus próprios olhos.

Parou por momentos de correr quando estava já bem longe daquele local e pegou no telemóvel, ainda estavam a meio da noite mas não poderia esperar pelo dia seguinte para contar aos amigos, mandou mensagens para todos eles e ficou aliviado quando lhe responderam. Iriam ter com ele ao armazém dali a uns minutos.

Ryan continuou a correr até se embrenhar na floresta e conseguir avistar o armazém.

 

Já decidi que vou começar também a postar à quarta-feira para além do sábado. Por isso na próxima quarta têm outro capítulo!

Beijinhos

13 comentários

Comentar post

Pág. 1/2