Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

More than words.

More than words.

Rebel life (11)

NIKH

"Preciso que me ajudem!"

- Olhem só o que eu trouxe! – exclamou Rachel tirando de uma das suas mochilas duas garrafas de vodka.

Kevin olhou-a de olhos arregalados. – Onde é que arranjaste isso? – perguntou, Rachel não costumava conseguir arranjar bebidas alcoólicas para beberem, não podia comprar visto ser menor de idade para além de que apesar dos seus 17 anos poderia dizer-se por vezes que ela aparentava ter menos um pouco.

A rapariga encolheu os ombros. – Tenho os meus meios. – fez um sorriso e tentou dar um ar misterioso ao que tinha dito, os outros desataram a rir-se e Ryan tirou-lhe uma garrafa das mãos.

Madeleine recostou-se contra um tronco de uma árvore enquanto olhava para os outros que já começavam a disputar as garrafas entre si. – Eu não quero. – respondeu a Kevin quando este lhe perguntou se não queria.

Ele abanou a cabeça e encolheu os ombros perante a sua resposta. - Mais fica para nós. – fez um sorriso animado e abriu uma das garrafas tragando um grande gole de uma só vez. Rachel e Ryan fizeram o mesmo com a outra garrafa.

- Não podes beber essa toda sozinho! – exclamou Ryan tirando a garrafa das mãos de Kevin e deu um gole, o outro vociferou qualquer coisa imperceptível e tirou a outra garrafa a Rachel que estava para ali a beber sozinha. Estendeu a garrafa para Madeleine oferecendo-lhe mas esta abanou que não com a cabeça, deixou-se apenas ficar a olhar para os outros enquanto se ria cada vez mais à medida que os via ficarem cada vez mais alterados.

Rachel tirou a garrafa que Ryan tinha na mão e quando este se preparava para pegar nela de volta a rapariga levantou-se e fugiu com a garrafa, já estava quase vazia no entanto não se podiam desperdiçar nem sequer as últimas gotas, o rapaz levantou-se e correu atrás dela. Kevin riu-se quando ficou com a outra garrafa só para ele, rastejou até ficar mesmo ao lado de Madeleine e olhou para ela enquanto a rapariga fazia o mesmo.

Esta fez uma cara confusa como que a perguntar porque é que ele estava a olhar para ela daquela maneira.

- Deixa-me dar-te um beijinho. – pediu Kevin de repente, ela abanou a cabeça e tentou afastá-lo com um resmungo quando este tocou com um dedo nos seus lábios. – Vá lá. – o rapaz fez um beicinho. – Gostei do teu beijinho ontem no jogo, quero mais um. – pedinchou.

- Não Kevin, está calado e quieto. Estás para aí todo bêbado. – fez uma careta e tentou afastar mais o rapaz que estava um bocado próximo demais.

Kevin suspirou. – Então deixa-me só encostar a ti. – continuou com o beicinho e quando Madeleine apenas suspirou ele encostou a cabeça ao seu ombro, bebeu o último gole daquela garrafa e deixou-a depois cair no chão. Levantou a cabeça e olhou para Madeleine que parecia estar meio distraída, num impulso e rápido agarrou-lhe no rosto e beijou-a sendo imediatamente empurrado pela rapariga.

- Vou dormir. – resmungou ela levantando-se rapidamente e sem dizer mais nada caminhou em passos apressados na direcção da tenda, a bebedeira estava mesmo a fazer mal ao rapaz. Ia para puxar o fecho mas este já estava aberto, quando espreitou para dentro da tenda viu Rachel e Ryan lá enrolados e aos beijos. Arregalou muito os olhos e recuou em silêncio para trás, ok… eles estavam todos mesmo mal, não era apenas o Kevin. Virou-se e foi de novo ter com Kevin que continuava sentado no mesmo sítio.

- Voltaste? – perguntou o rapaz olhando-a quando a rapariga se aproximou.

Madeleine abanou a cabeça. – Não. – resmungou e no momento seguinte o rapaz puxou-lhe pela perna fazendo-a cair em cima dele. – Deixa-me chato! – empurrou-o e afastou-se dele levantando-se.

Sentou-se longe dele e suspirou, nem sequer podia voltar para a tenda nem fazer nada. Ficou ali quieta e quando estava já quase a dormir viu Rachel sair da tenda, ao menos agora sabia que podia voltar para lá. – Anda dormir. – disse para o Kevin que também já estava mais a dormir do que acordado, levantou-se e depois puxou o rapaz com ela.

 

- Eu ouvi o lobo de noite. – exclamou Ryan quando saiu da tenda já no dia seguinte.

Kevin abanou  a cabeça. – Bebeste demais isso sim. – retorquiu espreguiçando-se e revirou os olhos quando o outro resmungou.

- Acho que devíamos ir embora, a sério… isto é perigoso e ele pode aparecer aqui. – falou para todos quando as raparigas também saíram de dentro da tenda.

Madeleine disse que não se importava que fossem embora e depois de todos chegarem a acordo começaram a recolher todas as coisas para partirem ainda durante a manhã, não tardou nada a terem tudo pronto e depois partiram.

*

Rachel pegou na carta que a mãe tinha deixado em cima da sua cama e olhou para a morada que estava no remetente, era de Nova Iorque, o que significava que só poderia ser do seu pai. Suspirou e abriu-a tirando de dentro da mesma uma folha impressa a computador.

 

“Rachel, espero que esteja tudo bem contigo, e com a tua mãe também… Desculpa não ter dado notícias nos últimos tempos mas sabes como o trabalho de gerir uma grande empresa é complicado e pouco tempo me sobra para as minhas coisas. Bem, deixando isto um pouco de parte queria explicar-te o motivo de ter enviado agora esta carta, quero que venhas viver comigo para Nova Iorque. Tenho a certeza que vai ser uma óptima oportunidade para ti além de que vais adorar a cidade. Fico a aguardar a tua resposta. Adoro-te, John.”

 

A rapariga arregalou os olhos e levou a mão à boca incrédula, aquilo não podia estar a acontecer. Ir viver para Nova Iorque com o pai? Não, nunca na vida. Não ia deixar os amigos e a mãe para ir viver com alguém que na maior parte do tempo se esquecia da sua existência.

Largou a carta em cima da cama e correu para fora de casa, precisava de se encontrar com os amigos, de certeza que eles iriam ter uma solução e iriam ajudá-la.

Empurrou a porta do armazém que estava apenas encostada e viu Kevin e Ryan lá. – Preciso que me ajudem! – exclamou ofegante depois de ter corrido o caminho todo até ali. Eles olharam-na confusos e depois de chamarem Madeleine e de esta chegar Rachel explicou-lhes tudo sobre a carta.

- Temos de pensar em alguma coisa… - Kevin mordeu o lábio e juntos tentaram arranjar uma solução para o problema da amiga. Nada surgia e a rapariga começava a desesperar, estava a ser completamente idiota, nada do que fizessem iria impedir com que tivesse de ir viver com o pai, ele era cheio de dinheiro e poder e bastava-lhe estalar os dedos para ter tudo o que queria aos seus pés.

Não gostava do pai, nunca tinha gostado, quando tinha apenas cinco anos tinha assistido a algo que nunca mais lhe tinha saído da cabeça: tinha visto o pai bater na mãe. Era apenas uma criança naquela altura e nada tinha feito pois era indefesa e só iria piorar as coisas. Tinha ficado toda contente quando aos 10 anos os pais decidiram divorciar-se e o pai se mudou para Nova Iorque onde tinha as suas empresas.

Não queria ir viver para lá e ir para aquele mundo, queria apenas ficar naquela pequena cidade com as pessoas de quem gostava de verdade.

9 comentários

Comentar post