Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

More than words.

More than words.

Hopeless (3)

Capítulo 3

Landon Watson

“Nenhum obstáculo é tão grande se a vontade de vencer for maior.”

 

Landon abanou a cabeça e passou uma mão pelos seus cabelos curtos quando estava prestes a entrar pela porta principal do hospital. Ainda não tinha conseguido entender o porquê de ter de estar sempre a vir ao hospital para as consultas com Lexie. Ela nem sequer era psicóloga, porque é que ele tinha de falar com ela como se ela fosse? Era verdade que até gostava de falar com ela, desde à uns tempos tinha-se tornado a pessoa em quem mais conseguia confiar e além disso ouvia tudo o que ele tinha para dizer sem o começar a julgar ou a pôr-se contra ele. Já para não falar do quanto ela era gira.

- Landon Watson. – disse o rapaz assim que chegou à recepção. – Tenho uma consulta com a Lexie, doutora Lexie White. – revirou os olhos para si mesmo. Já começava a habituar-se ao facto de apenas a tratar por Lexie. Sempre que vinha ao hospital tinha de repetir todo aquele processo, ou porque a pessoa que estava na recepção era sempre diferente ou então porque tinham medo que ele fosse alguém que não devesse estar ali sequer.

As consultas que ele tinha com Lexie nem sequer eram obrigatórias mas a rapariga quando o tinha conhecido tinha-se oferecido para tentar ajudá-lo. Landon não conseguiu dizer que não.

 

- Landon! – exclamou Lexie assim que o viu entrar pelo seu consultório dentro e sorriu para o rapaz.

- Olá. – ele sentou-se na cadeira em frente à secretária dela e cruzou as pernas. – Bem, aqui estou mais uma vez. Satisfeita?

Conseguiu vê-la revirar os olhos e recostar-se para trás na cadeira.

- Ai Landon, pára com essas coisas. – retorquiu. – Sei bem que gostas de vir cá e por mais que ameaces que não vens mais eu sei que acabas sempre por vir. – ela encolheu os ombros e piscou-lhe o olho.

O rapaz revirou os olhos e cruzou as pernas de forma descontraída. – Pois. – disse apenas, era verdade o que ela dizia. Estava sempre a dizer que não vinha mais porque já não precisava mais de falar com ela mas a verdade era que precisava. Sabia que por mais tempo que passasse, aquele dia, à dez anos atrás, nunca ia ser esquecido e ia marcá-lo para toda a vida. Aquelas conversas apenas deixavam as coisas um pouco mais fáceis de suportar.

- Então, como te sentes hoje? – perguntou Lexie, perguntava aquilo de todas as vezes em que Landon ia ao hospital.

- Hmm normal... – era sempre a resposta do rapaz. Era já como um hábito para ele responder aquilo. As coisas não estavam mal nem estavam completamente bem de todo e por isso ele sabia que aquela era a melhor resposta que poderia dar a Lexie.

Viu-a pegar nas folhas onde costumava apontar algumas das coisas sobre as quais conversavam nas consultas e pegando numa caneta escreveu qualquer coisa que Landon não conseguia ler do sítio onde se encontrava.

- Ainda continuas a ter os pesadelos? – perguntou Lexie quando por fim levantou o seu olhar para Landon.

Este assentiu com a cabeça e baixou o olhar. – É obvio que sim, vou ter sempre… - disse com um suspiro.

 

Era de noite e Landon ainda se encontrava na rua, a mãe dele não gostava nada quando ele ficava até tarde na rua mas ele não tinha culpa. Tinha apenas dez anos de idade o que deixava a mãe demasiado preocupada com os perigos que se escondiam nas ruas da cidade. Estava de férias e tinha ficado até mais tarde na casa do melhor amigo a brincar. O tempo tinha passado tão rápido que só se apercebeu que já era noite quando por acaso olhou pela janela.

- Hey tu. – ouviu uma voz grossa vinda de trás dele e engoliu em seco tentando apressar mais o seu passo.

Era uma tentativa falhada pois Landon era ainda uma criança e naturalmente andava mais devagar do que um adulto e apesar de ter tentado correr não tinha conseguido escapar àquelas mãos que do nada o agarraram. Tinha acontecido num beco de uma rua qualquer. Landon tinha sido violado naquela noite e a sua vida nunca mais foi a mesma.

 

Ele sabia que nunca mais iria esquecer aquele dia nojento. Tinha contado à mãe apesar de todo o medo que sentia e depois de terem feito queixa na polícia, nunca conseguiram encontrar a pessoa que lhe tinha feito mal. Os pesadelos de Landon consistiam praticamente no facto de tudo aquilo acontecer de novo.

- Podemos mudar de assunto? – perguntou Landon abanando ligeiramente a cabeça e fitou o rosto de Lexie quando esta parou de escrever.

Odiava tanto ter de falar sobre aquelas coisas, só as queria esquecer e não as recordar vezes e vezes sem conta.

- Porquê? – ela suspirou.

- Não me apetece falar disto, por favor. – ele revirou os olhos. – Quando é que vais aceitar sair comigo? – perguntou para mudar de assunto de uma vez por todas e esboçou o seu típico sorriso sedutor.

- Outra vez isso Landon? – perguntou a rapariga com um revirar de olhos. – Sou tua médica por isso vê lá se tens mais cuidado com o que dizes.

- És praticamente da minha idade, não vejo qual é o mal. – ele encolheu os ombros. Nunca conseguia convencer Lexie a sair com ele por mais que tentasse e insistisse. – Sei que vai chegar o dia em que não vais conseguir resistir-me mais. – ele piscou-lhe o olho e Lexie revirou os olhos e escreveu mais qualquer coisa num dos seus muitos blocos. – É verdade Lexie. – acrescentou quando ela não disse nada.

- Não é nada. – ela bufou para o ar e olhou-o por fim. – Tu é que tens de sair e tratar de arranjar uma namorada. Estás a precisar.

- Uma namorada? – Landon fez uma cara de nojo. – Não quero ter uma namorada. Gosto muito mais de ser livre. – juntou as sobrancelhas e sorriu para Lexie. – E depois, se eu tivesse uma namorada perdias a tua oportunidade.

- Não perdia nada. – ela revirou os olhos mais uma vez. – E estou a falar a sério Landon. Precisas de alguém.

- Estou muito bem sozinho. Sempre estive bem assim. – disse ele agora num tom de voz mais frio. Aquilo que lhe tinha acontecido tinha-o deixando uma pessoa fria, não queria que as pessoas se aproximassem demasiado dele pois sabia que todos iriam acabar por magoá-lo. E ele dispensava sofrer mais do que o que já tinha sofrido no passado.

8 comentários

Comentar post