Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

More than words.

More than words.

Another Life - 4

 

Quando acordo na manhã seguinte, sinto o meu corpo cheio de dores, devido não só ao facto de já ontem ter dores, mas também por ter dormido neste sofá. Que começo a achar que será a minha cama nos próximos dias, pressupondo que ficarei aqui bastante tempo. Suspiro e esfrego os meus olhos, enquanto faço o meu corpo ficar sentado. Mais um suspiro sai por entre os meus lábios, quando vejo que o Cameron está ali também, sentado numa cadeira, perto da porta e com os seus olhos fixos em mim.

Fixo também os meus olhos nele por momentos, tentando ler a sua mente para averiguar o que eles estão a tramar. Mas não consigo ver absolutamente nada, parece existir uma barreira que me impede de entrar na cabeça dele.

- Au! – gemo de dor assim que sinto como se algo estivesse a apertar a minha cabeça e desvio os meus olhos dos dele.

- Não irás conseguir ler a minha mente. – diz-me ele de repente, como se soubesse que eu estava a tentar fazê-lo. – E, de cada vez que o tentares fazer, vais sentir umas dores enormes. Por isso, aconselho-te a ficar quieta. – acrescenta num tom de aviso.

Pois claro, neste momento acende-se uma luz na minha cabeça. Aquele lugar, onde me encontro agora, contém algum aparelho que eles inventaram e que me impede de usar qualquer um dos meus poderes. E para tornar isso pior, cada vez que os tento usar, aquilo vai apenas magoar-me.

- Que merda. – resmungo para mim própria e vejo que ele continua a olhar-me. – Podes parar de olhar para mim? – bufo completamente chateada. – E estou cheia de fome, será que me podem dar de comer? Ou pretendem matar-me à fome? – o meu tom de voz é agora frio e cínico. Já consegui ultrapassar um pouco do choque inicial e agora consigo ser mais eu própria: mais forte, fria, determinada. Tudo aquilo que tive de aprender a ser cedo demais, devido à vida que sempre fui obrigada a ter.

Sigo os movimentos dele, quando se levanta da cadeira, e abre a porta, saindo da sala sem nada dizer. Volta uns escassos minutos mais tarde, com um pequeno tabuleiro, que contém algumas coisas para comer, assim como um copo de sumo. Faço uma careta quando ele o pousa no sofá ao meu lado, e não sei porquê fico com algum receio de comer aquilo. E se está envenenado e me mata? Mas não, eles não iriam matar-me sem primeiro me usarem para aquilo que querem. Suspiro e concentro toda a minha atenção na comida, começando a comê-la. Estou com tanta fome que sei que daqui a nada o tabuleiro se irá encontrar vazio.

 

Afasto um pouco o tabuleiro quando por fim acabo de comer e pelo canto do olho, vejo que o Cameron está a olhar para mim, como sempre.

- Podes parar de olhar? – pergunto com um revirar de olhos. – Não precisas de te preocupar, que eu não fujo. – digo de forma cínica.

- Pois não, e ainda bem. – ele fala, da mesma forma cínica que eu falei. Vejo o seu olhar descer para o relógio que tem no pulso e logo depois ele levanta-se. – Vamos, está na hora. – caminha até mim, e como de todas as outras vezes, agarra no meu braço, puxando-me de forma bruta.

- Vamos onde? – pergunto, quando fico de pé e tento soltar-me da mão dele. Mas de nada me serve, é claro.

- Pára de fazer perguntas, e mantém-te calada. É o melhor que fazes. – resmunga e puxa-me para fora dali. Logo que chegámos ao corredor, alguém que está a passar por ali, informa o Cameron que o Graham já está à espera. Engulo em seco, Graham, sei quem ele é. É o dono deste local e o chefe daquela Sociedade. Tudo isso significa que é agora que me vão usar com a porcaria das suas experiências.

- Não, por favor Cameron, não me leves. – imploro, tentando parar de andar. – Não deixes que me magoem… - suspiro pesadamente sentindo as lágrimas quererem chegar aos meus olhos, enquanto ele me leva para os outros.

 

Espero que estejam a gostar desta história, tanto como eu gosto! Então, como já perceberam a Summer está metida em grandes sarilhos... o que acham que vai acontecer agora que ela se vai encontrar com o homem que está por trás disto tudo?

Ontem acabei de escrever esta história, sim, mesmo estando ainda a começar a postá-la aqui, ela já está toda escrita. Adoro ter assim bastantes capítulos adiantados e estou bastante satisfeita com toda a história! Terá um total de 30 capítulos, por isso têm ainda bastante para ler.

Beijinhos e até sábado

7 comentários

Comentar post