Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

More than words.

More than words.

Fragile - 11 |fraquinha

... | via Tumblr

 

- O que é que aconteceu? – perguntou-me Victoria, quando de repente surgiu ao meu lado. Eu caminhava ainda pelos corredores, a rir-me do que se tinha acabado de passar com o James. Juro que não conseguia parar de me rir. Tinha sido hilariante.

- Oh, nada demais. – encolhi os meus ombros e esbocei um sorriso na sua direcção. Sorriso esse que foi de imediato retribuído. – O que vais ter agora? – perguntei-lhe.

- Educação física. – a sua cara de desagrado mostrava-me o quanto ela detestava aquela aula, assim como eu. – E tu?

- O mesmo. – respondi com um breve encolher de ombros.

- Oh, que bom. Vamos ter aula juntas. – retorquiu.

Assenti levemente com a cabeça e não disse mais nada enquanto nos dirigíamos até ao pavilhão.

Victoria mostrava-se sempre bastante simpática comigo, e isso não era muito normal. As pessoas não costumavam ser simpáticas para mim e eu também não era simpática para as pessoas. Mas até estava a ser para ela… não sei bem porquê. Ela era querida e não me olhava como se eu fosse de outro planeta. Acho que isso ajudava.

 

Alguns minutos depois, já ambas nos encontrávamos equipadas com as nossas roupas mais adequadas para aquela aula. Eu vestira umas calças justas de fato de treino e uma t-shirt que me ficava demasiado grande, se bem que isso não me interessava para nada. Nunca ninguém estava atraente vestido com aquele género de roupas, e portanto, eu também não estava.

Os meus olhos reviraram-se de imediato quando dentro daquele edifício eu vi entrar o James. Sim, o idiota do James. Não posso crer que ele também ia ter aquela aula. Que merda.

Os seus olhos focaram-se de imediato em mim, e eu apenas me limitei a desviar o olhar, fingindo que ele nem sequer ali estava. Comecei a falar com Victoria, sobre um assunto qualquer de uma aula qualquer. Ah boa, lembrei-me agora que preciso de lhe pedir algumas explicações sobre certas matérias. É que sozinha, duvido que consiga tirar notas de jeito. E mesmo com a sua ajuda, isso será difícil. No entanto, já percebi que Victoria é bastante inteligente.

A aula teve início, uns minutos depois, quando a professora chegou. Obviamente, obrigou-me a apresentar-me, como estava a acontecer em todas as aulas que eu ia frequentando. Isto era horrível, era como se fosse uma espécie de castigo por eu ter começado as aulas mais tarde que os outros alunos. Mas o que mais me irritava, era ficarem sempre todos a olhar para mim como se nunca antes me tivessem visto, já para não falar dos comentários idiotas que por vezes faziam, e os quais eu tinha imensa vontade de responder.

Depois de fazermos um pequeno aquecimento, foi decidido que íamos jogar basquetebol. Odeio este desporto, mas bem… eu odeio todos os desportos. Nunca tive paciência para os praticar e não consigo entender qual é a piada de andarem um monte de pessoas atrás de uma estúpida bola.

Eu limitava-me a fazer de conta que corria de um lado para o outro, assim como Victoria, que tal como eu, estava a detestar aquela aula. Fazíamos de conta que estávamos empenhadas a jogar, mas na verdade estávamos só a fazer que jogávamos.

Tudo ia correndo com normalidade até ao momento em que uma das bolas bateu em cheio na minha cabeça. Claro que vi quem foi o dono daquela proeza. O James, claro que tinha atirado a bola de propósito contra a minha cabeça, sem sequer disfarçar depois o facto de que foi ele. Caí de imediato no chão, apesar de até nem ter sido com tanta força quanto isso. Senão, neste momento eu podia muito bem estar morta ou algo do género. Aquelas bolas magoam muito.

- Estúpido, idiota, burro, nojento… - fui enumerando vários adjectivos, todos eles maus e gritados na direcção dele, que se limitava a rir. Juro que vi estrelas, quando a bola bateu na minha cabeça, e ainda me encontrava zonza devido ao impacto da mesma. Logo as pessoas correram na minha direcção, incluindo a professora que vinha a resmungar com James por me ter feito aquilo e a resmungar comigo por eu não parar de dizer aquelas palavras menos próprias para uma aula.

- Que fraquinha. – disse James. Encontrava-se também perto de mim, de braços cruzados, como se estivesse a assistir à cena de um filme cómico. Mas digo-vos, de cómico aquilo não tinha nada, pois era a minha cabeça que estava feita em farrapos, e não a dele.

Respirei fundo, quando alguém me ajudou a levantar, continuava a sentir a minha cabeça a andar às voltas e as dores na zona da minha testa eram imensas.

- Precisas de colocar gelo. – a professora falou, enquanto examinava a minha testa.

- Eu posso ir com ela. – ofereceu-se de imediato Victoria, mas logo levou um não como resposta.

- Vai o James. – olhamos um para o outro, e eu preparava-me para protestar, quando a professora continuou a falar. – Foi ele o culpado. Sim, James, eu percebi que foi propositado. Por isso, vais levar a tua colega para ela colocar gelo. Ah, e estás dispensado do resto da aula. Tens falta. – avisou, num tom de voz sério e interiormente eu acabei por me rir, apesar de todas as dores que ainda sentia.

Fui largada pela pessoa que estava ainda a segurar-me e as suas mãos foram substituídas pelas de James. Protestei para ele me largar, mas ele nem sequer me deu ouvidos, se bem que, se ele fizesse o que eu estava a pedir, eu creio que iria voltar a cair no chão.

Começamos a andar para fora daquela sala, enquanto eu tentava sempre manter as suas mãos quietas.

- Pára idiota. – resmunguei e ele apenas se ria de mim.

- Tens de começar a ser mais simpática, senão muitas bolas irão bater na tua cabeça. – avisou-me e eu revirei os olhos.

- Estás a ameaçar-me? – perguntei, enquanto ia caminhando de forma lenta pelos corredores da escola. Dirigíamo-nos para a enfermaria, que não ficava muito longe dali.

- Sim, acho que sim… e não te queixes muito, apenas me vinguei do que tu me fizeste. – o seu sorriso foi demasiado cínico e isso só me fez tentá-lo afastar de mim. Tentativa falhada.

- Espero que saibas que isto não vai ficar assim. – protestei, olhando para ele com cara séria. Não ia ficar quieta, depois das dores que ele me tinha provocado, já para não falar de como a minha testa iria ficar.

- Até já estou com medo. – ironizou o rapaz estúpido que estava ao meu lado.

Ignorei-o e entramos para a enfermaria, logo a senhora que lá trabalhava, ou melhor, a rapariga, pois ela parecia ser demasiado nova, veio ter comigo, perguntando-me o que se tinha passado. Obviamente que lhe contei a verdade, fazendo questão de enfatizar o facto de quem me tinha feito aquilo. Os seus olhos, com uma expressão reprovadora, foram de imediato postos em James, que continuava ali sereno, como se nada tivesse a ver com ele. 

 

Como era de esperar, ele vingou-se! Espero que tenham gostado, e vocês vão adorar o próximo capítulo ^^.

Beijinhos

8 comentários

Comentar post