Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

More than words.

More than words.

Fragile - 20 |conversa

Enjoy

 

A verdade é que passei a aula toda curiosa sobre o que James quereria falar comigo. De certeza que era apenas alguma coisa estúpida, como era habitual. Mas depois do que ele me tinha contado na sexta passada, eu temia que fosse algo sobre isso. Não queria voltar a falar naquele assunto, na verdade, era algo que eu achava que devia ficar no passado, e penso que James deveria querer o mesmo, pois duvido que ele goste de recordar aquele momento menos agradável na sua vida.

Só tive de esperar durante o tempo que a aula durou, pois assim que esta terminou, o rapaz veio logo ter comigo, impedindo-me de avançar pelos corredores. Victoria disse que ia fazer umas coisas e o sorriso que tinha nos lábios, mostrava-me que ela estava toda agradada por James ir falar comigo. Creio que a minha amiga andava um pouco armada em cupido, juntamente com Edwin. E isso irritava-me profundamente, pois nunca haveria nada entre mim e James, nós não nos suportávamos, acontecesse o que acontecesse.

Ultimamente eu e Victoria sentávamo-nos na mesma mesa que eles, mas isso era apenas porque alguém decidiu ocupar a nossa mesa. A minha amiga, ao inicio, não tinha ficado nada agradada com o facto de almoçarmos na mesma mesa que eles, mas com o passar do tempo, isso começou a agradar-lhe mais. Foi uma maneira de ela se começar a aproximar de mais pessoas, para além de mim, e ela até me chegou a dizer que James não era assim tão irritante e má pessoa como faziam crer. Pois, podia não ser irritante para ela, mas para mim era bastante. Para além disso, ela tinha-se começando a dar com Edwin, quanto mais não fosse para se juntarem os dois a dizer coisas sobre mim e James.

- Já sabes da festa na minha casa? – perguntou James, colocando-se à minha frente e depois de se certificar de que aquele corredor estava mais vazio, agora que todos os alunos se tinham dirigido para o bar ou para o exterior da escola, aproveitando assim os breves minutos que teríamos de intervalo.

- Sim, porquê? – perguntei, um bocado surpresa por ele me ter vindo falar sobre aquilo.

- Bem, acho que devias ir. – ele falou, e isto ainda me conseguiu deixar mais surpresa.

- Porque é que eu haveria de ir a uma festa tua? Ou melhor, porque quererias tu que eu fosse a uma festa na tua casa? – procurei saber, com uma sobrancelha arqueada, enquanto esperava que ele me respondesse. E isso não tardou.

- Porque contigo lá a festa será mais interessante. – as suas palavras saíram da sua boca acompanhadas com o seu típico sorriso parvo.

- Ai sim? Acho que a festa será igual, quer eu esteja lá ou não. – os meus ombros encolheram-se e quando eu me preparava para voltar a andar, a mão de James segurou o meu braço, mantendo-me assim no mesmo lugar.

- Sabes que todas as festas são melhores se estiver lá alguém com quem possamos implicar. Ou alguém com quem resmungarmos por estar a beber demais. E coisas assim.

Ele tinha-se aproximando demasiado de mim, de tal maneira que eu estava agora praticamente colada contra a parede atrás de mim.

- Eu vou estar de castigo, James. Por isso não dá mesmo. – falei, sem deixar de olhar para ele.

- Ruby, tenho a certeza que não será um simples castigo que te irá impedir de sair de casa. – uma gargalhada saiu por entre os seus lábios. A verdade era que ele tinha razão, nunca tinham sido os castigos a impedir-me de fazer aquilo que eu queria. E também não seria desta vez que isso iria acontecer.

- Hm talvez tenhas razão. – encolhi os ombros e acabei por o afastar para trás, de maneira a mantê-lo afastado de mim, algo que parecia difícil por vezes. De seguida virei costas, e comecei a andar pelos corredores.

 

*

Quando cheguei a casa naquele dia, o meu pai já lá estava, talvez fosse a sua tarde de folga, eu não sei. Ainda não tinha percebido o horário dele, apesar de ele já ter começado a trabalhar há umas semanas atrás. A maneira como ele estava a olhar para mim, fez-me logo entender que já tinha recebido um telefonema da escola a avisarem-lhe das coisas que eu tinha feito na sexta. Merda.

- Posso saber o que se passou para teres agido daquela maneira na aula? E porque faltaste às aulas durante o dia inteiro, Ruby? – ele perguntou, tentando que a sua voz soasse severa. Odiava quando ele agia assim, tinha passado anos sem querer saber o que eu fazia ou deixava de fazer, e agora, de um momento para o outro tinha-se lembrado que era pai, e que era suposto repreender a filha pelas coisas erradas que ela fazia.

- Não há motivo. – encolhi os ombros e comecei a andar em direcção às escadas, que me levariam ao andar superior e ao meu quarto.

- Estás de castigo. Não quero que saias de casa a não ser para ir para as aulas. E é para vires para casa, logo depois de estas acabarem. Entendido?

- Sim, não sou surda e muito menos burra. – falei quando estava já a subir as escadas. Continuei a andar, sem sequer olhar para trás e ignorando assim os resmungos do meu pai, devido a eu ter-lhe falado desta maneira.

Também iria ignorar o seu estúpido castigo, pois isso não me iria impedir de ir à festa. As regras tinham sido feitas para serem quebradas, e eu era uma das pessoas que mais gostava de as quebrar.

 

A conversa não teve nada a ver com o que James lhe contou do boato (acho que vocês estavam à espera de algo a ver com isso). Mas bem, o James, praticamente, convidou-a para a festa dele! 

E eu adoro os próximos capítulos (que dizem respeito à festa ^^).

Beijinhos

8 comentários

Comentar post