Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

More than words.

More than words.

Hopeless (6)

Capítulo 6

Miles Foster

“Quem teme a verdade, teme a vida.”

 

Miles sabia que se fossem viajar para um sítio bem longe iria ter Savannah toda só para si. Não haveriam os amigos nem mais ninguém pelo meio deles a tentarem roubá-la de si, não é que isso acontecesse muitas vezes mas eram as suficientes para deixar o rapaz irritado.

Passou os dedos pelas costas de Savannah à medida que a ia beijando mais e sorriu contra os lábios dela. Não era só por causa de querer mantê-la afastada das outras pessoas que Miles queria viajar, era também porque amava Savannah e gostava de partilhar novas experiências com ela. O que seria melhor do que irem os dois sozinhos viajar para longe? Qualquer pessoa gostaria disso. E Savannah estava já toda entusiasmada, pelo que ele tinha percebido.

- Amo-te muito. – sussurrou contra os lábios desta.

- Também te amo muito. – ela sorriu e passaram o resto da tarde ali no sofá aos mimos.

Quando por fim anoiteceu Savannah foi começar a preparar o jantar enquanto que Miles aproveitava para arrumar algumas coisas.

Jantaram já com as estrelas a espreitar pela janela e depois disso ficaram a ver televisão até à hora de irem dormir.

 

Na manhã seguinte, Miles acordou apenas quando o sol começou a bater-lhe na cara e se tornou insuportável estar ali deitado. Viu que Savannah já se tinha levantando e depois de se espreguiçar também ele saiu da cama. Foi tomar um duche bem rápido e quando estava a sair do quarto ouviu o telemóvel de Savannah a tocar algures na sala.

- Savannah! – chamou-a enquanto se dirigia à sala, para que a rapariga fosse atender o telemóvel mas ela não lhe respondeu. Franziu a testa calculando que ela tinha saído para ir comprar alguma coisa e por isso pegou no pequeno aparelho que ainda estava a tocar.

Apertou o telemóvel nas suas mãos quando no visor do mesmo viu um nome de rapaz. Um rapaz estava a ligar para a namorada dele.

- Savannah?? – voltou a chamar apesar de saber que não iria obter qualquer resposta sua. Desligou a chamada carregando repetidas vezes na tecla de terminar chamadas e depois atirou o telemóvel contra a parede mais próxima de si.

Nesse mesmo instante a porta de casa abriu-se e Savannah entrou, juntou as sobrancelhas pois tinha ouvido o barulho do telemóvel a bater contra a parede.

- O que é que se passa? – perguntou completamente confusa e aproximou-se do local onde o seu telemóvel, agora todo estragado, se encontrava. – Porque é que me estragaste o telemóvel? – perguntou enquanto os seus olhos iam de encontro com os de Miles.

- Estavam a ligar-te. – disse ele muito friamente e sem sequer esconder o facto de que estava irritado.

- E é preciso atirares o meu telemóvel contra a parede só por causa disso? – ela revirou os olhos e abanou a cabeça.

- Está calada! – gritou ele. – Era um rapaz que estava a ligar-te. Porquê? – perguntou. – E onde é que foste? Foste ter com ele?

Ela franziu a testa e abanou a cabeça repetidas vezes. – Pára de fazer filmes na tua cabeça. Pára Miles! – retorquiu.  – Estou farta disso. Fui apenas comprar pão fresco. – apontou para o saco que tinha numa das mãos. – E quem me estava a ligar muito provavelmente era um colega de turma. – acrescentou com um revirar de olhos. – Estou farta que passes a vida a controlar-me como se eu fosse fazer alguma coisa de mal.

- Já te disse para te calares! – Miles gritou e avançou para Savannah. Levou uma mão ao seu rosto e apertou o seu maxilar ao mesmo tempo que a prendia contra a parede. – Quem está farto sou eu. Estou farto das tuas coisas.

- Eu nunca te faço nada de mal. – retorquiu ela ainda de olhos postos nele e tentando, em vão, soltar-se da mão de Miles. – E largar-me que estás a magoar-me.

- Se te comportasses em condições nada disto acontecia. A culpa é toda tua! – retorquiu o rapaz gritando mesmo em frente ao rosto dela. E detestava quando Savannah tentava fazer-lhe frente pois isso só fazia com que ele ficasse mais irritado e ainda com mais vontade de lhe bater.

- A culpa é minha porquê? – perguntou ela fazendo-o sair dos seus devaneios. – Tu é que estás sempre a bater-me Miles! – gritou. – Estás sempre a magoar-me sem sequer teres motivos para isso e a culpa é minha? – a rapariga completamente irritada conseguiu soltar-se de Miles e rapidamente se afastou para a outra ponta da sala, mantendo-se assim o mais afastada possível dele.

Ele revirou os olhos mas deixou-se permanecer no mesmo lugar onde estava antes. – Achas mesmo que não tenho motivos para fazer o que te faço? – perguntou e deixou que um sorriso irónico se formasse nos seus lábios. – Andas sempre com outras pessoas, sais de casa sem me dizer nada e recebes chamadas de outros rapazes!

Ela abanou a cabeça. – Isso são apenas coisas normais que todas as raparigas normais fazem e sabes porquê? Porque todas têm namorados normais! – gritou e avançou em direcção à porta.

- Nem penses em sair daqui Savannah! – Miles gritou fitando-a e cerrou os punhos. Sentia-se tão mas tão irritado que a sua maior vontade era de partir tudo o que lhe aparecesse à frente.

Ela estava mesmo a fazer-lhe frente, e isso poucas vezes tinha acontecido. Ela devia era estar calada pois sabia muito bem que isto só piorava tudo. Quando ele lhe tocasse, ia ser bem pior do que das outras vezes. – A culpa é toda tua. – repetiu o que já tinha dito anteriormente enquanto os seus olhos a fulminavam.

A rapariga abanou a cabeça repetidas vezes. – Sabes qual é a única culpa que eu tenho? – perguntou-lhe e colocou a mão sobre a maçaneta da porta. - A minha única culpa é amar-te. – disse bem lentamente e antes de dar tempo a Miles de falar ou fazer alguma coisa, abriu a porta e saiu de casa deixando a porta fechar-se com toda a força atrás de si.

Assim que se viu sozinho, Miles começou a pontapear todos os móveis e objectos que lhe iam aparecendo à frente. Estava tão irritado e concentrado nas coisas que Savannah lhe tinha dito que nem sequer ouviu o barulho de um carro a travar a fundo mesmo ali na estrada em frente da sua casa.

 

Este capítulo trouxe uma "pequena" reviravolta e algo irá acontecer no próximo. Adivinham o que é?

11 comentários

Comentar post

Pág. 1/2