Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

More than words.

More than words.

Hopeless (8)

Capítulo 8

Lexie White

“Pessoas perfeitas não mentem, não bebem, não brigam, não erram e não existem.”

 

Lexie chamou outro médico para que este pudesse fazer um raio-x ao braço da rapariga que Landon tinha trazido com ele. Olhando para a rapariga, Lexie apercebia-se de que ela parecia um pouco assustada por ali estar. Como se estivesse com medo que lhe fizessem mal.

Enquanto que Lexie ajudava Savannah a afastar a manga da sua camisola, reparou numas pequenas linhas bem finas e vermelhas junto ao seu pulso. Não precisava de saber muito para se aperceber de que aquilo eram cortes feitos com uma lâmina, Lexie já tinha visto muitas raparigas que se cortavam e, por isso, não era difícil saber que Savannah também o fazia. Lexie engoliu em seco, agora preocupada com aquela rapariga que tinha aparecido do nada e curiosa por saber o porquê de ela fazer aquilo.

Olhou para Landon que estava a um canto, muito silencioso, e suspirou. Talvez se ele lhe perguntasse, Savannah diria-lhe o porquê de fazer aquilo. Não é que a rapariga tivesse confiança com qualquer um deles, pois apenas os tinha acabado de conhecer, no entanto Landon conseguia ser muito persuasivo quando queria e o facto de ser bonito, também costumava ajudar bastante.

- Landon. – chamou ela baixinho quando se pôs ao lado do rapaz. Ele baixou o olhar para ela e fitou-a.

- Que foi? – perguntou de sobrolho franzindo, começando já a pensar, que provavelmente Lexie ia começar a chateá-lo por ele ter atropelado Savannah. Ele sabia que se ia cansar de dizer que não tinha tido culpa e que ela é que se tinha metido no seu caminho.

Lexie mordeu o lábio e olhou de relance para o sítio onde a outra rapariga estava. – Quando a estava a ajudar… vi os pulsos dela… - ela olhou para a cara confusa de Landon que com toda a certeza não estava a perceber onde Lexie queria chegar com aquela conversa. – Acho que ela se corta. Quer dizer, eu não acho, eu tenho mesmo a certeza. – ela suspirou baixinho e viu os olhos do rapaz arregalarem-se ligeiramente.

- Tens a certeza? – ele perguntou baixando mais o seu tom de voz para que não corressem o risco de Savannah ou mesmo o médico conseguirem ouvir aquela conversa.

Lexie assentiu com a cabeça. – Olha, eu sei que acabaste de a conhecer e que ela está toda estranha e parece ter medo de nós. – ela encolheu os ombros. – Mas eu preciso que lhe perguntes porque faz aquilo… por favor Landon. Pode ser alguma coisa grave. – suspirou enquanto falava. – Precisamos mesmo de saber e tentar ajudá-la. – ela olhou para o rapaz e fez-lhe olhinhos.

Landon assentiu com a cabeça. – Eu tento perguntar-lhe apesar de que parece que ela me odeia. – ele revirou os olhos e foi depois interrompido pela voz do médico.

- Vou analisar os exames que fizemos e daqui a pouco trago os resultados. – Lexie ouviu o médico falar e assentiu com a cabeça.

Aproximou-se de novo de Savannah. – Vamos voltar para o quarto onde estavas. – ela ajudou a rapariga a levantar-se de onde estava sentada e depois os três, Lexie, Savannah e Landon, caminharam sempre em silêncio para o outro quarto.

Depois de Savannah estar deitada na cama Lexie saiu do quarto piscando o olho a Landon. Esperava mesmo que ele conseguisse descobrir o porquê daqueles cortes no braço da rapariga, mas sinceramente tinha um pouco de dúvidas de que ele conseguisse fazê-la contar-lhe.

 

- Preciso que me respondas a uma coisa… - disse Landon, quando por fim ele e Savannah ficaram sozinhos no quarto. Ela juntou as sobrancelhas e revirou depois os olhos.

- Duvido que tenhas alguma coisa a ver com o que quer que seja que me queiras perguntar. – disse ela o que o fez revirar os olhos.

- Olha, eu estou a tentar ser simpático para ti e acredita que tens muita sorte porque eu não costumo ser nada assim…

- E? Não te pedi para seres simpático para mim pois não? – perguntou Savannah quando o interrompeu e o impediu de continuar a falar. – Eu disse que não queria que me trouxesses para aqui. – ela resmungou e revirou os olhos.

- Claro, ia mesmo deixar-te lá no meio da estrada sabe-se lá em que estado tu estás sequer. – Landon resmungou também. Não tinha paciência nenhuma para aquelas coisas e odiava quando tentavam irritá-lo e contrariá-lo. – Mas pronto, se queres continuar assim toda parva, tu lá sabes. – acabou por fazer um sorriso meio cínico o que fez Savannah deitar a língua de fora e fazer-lhe uma careta. – O que eu te queria perguntar... – ele continuou apesar de saber que ela se ia negar a responder-lhe a uma coisa daquelas. – …porque é que te cortas? – perguntou sem mais rodeios e, inevitavelmente, os olhos dele foram para os pulsos dela, cobertos pelas mangas da sua camisola.

Ela arregalou um pouco os olhos e olhou para o mesmo sítio para onde ele estava a olhar. – Eu não faço isso. – disse apenas e engoliu em seco.

- Não precisas de negar Savannah. A Lexie percebe destas coisas e sabe que te cortas. – disse suspirando.

Os olhos de Savannah foram para o rosto dele e fitou-o. – Não tens nada a ver com a minha vida. – quando Landon se preparava para lhe responder a porta do quarto abriu-se e o médico entrou, acompanhado de Lexie que vinha mesmo atrás dele.

- Já tenho aqui os resultados. – disse ele. – Felizmente, não foi tão grave quanto parecia. Apenas deste um mal jeito ao braço. – ele escreveu qualquer coisa num dos papeis que trazia. – Vou receitar-te alguns medicamentos para as dores e assim e aconselho-te a que os tomes mesmo. Daqui a alguns dias vais sentir-se melhor e as dores aos poucos vão desaparecer.

Depois de o médico deixar mais algumas recomendações, saiu do quarto. Lexie olhou para Landon e este abanou levemente a cabeça como que a dizer-lhe que não tinha conseguido nada. Tal como ela tinha previsto, Savannah não lhes ia contar o que quer que fosse.

10 comentários

Comentar post