Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

More than words.

More than words.

You're so bad {11}

- É tua amiga? A Jullie, quero eu dizer. – perguntou Felicity a Finn assim que os dois ficaram ali sozinhos. Ele olhou-a com uma expressão confusa e acabou por abanar a cabeça, num gesto de negação.

- É apenas uma… conhecida… lá da empresa. – respondeu com um encolher de ombros e depois foi comer qualquer coisa, torcendo sempre mentalmente para que a mãe não lhe perguntasse mais nada sobre Jullie. Ele nem sequer sabia o que responder àquelas perguntas. Não iria dizer algo do género: Não somos amigos, eu nem gosto dela, ela é irritante e mal-educada mas tenho-a beijado. E gosto, sabes?. – Tenho de ir trabalhar. – acabou por acrescentar um pouco depois, já devia estar quase a ficar atrasado, e por isso teria de se despachar para conseguir chegar a horas decentes.

 

Assim que entrou no seu local de trabalho, Finn ficou satisfeito por ver que tudo estava normal. Felizmente aquilo não tinha durado muito tempo, e portanto, mais rapidamente as coisas tinham voltado à normalidade. Ao passar pela recepção, Hannah chamou por ele, dando-lhe um recado de Alexander, em que lhe agradecia imenso pelo que tinha feito por Jullie durante aquele tempo. Finn esboçou um sorriso e logo depois subiu de elevador até ao seu andar. Entrou no escritório e ficou surpreso ao ver que Claire, a rapariga com quem Jullie o tinha apanhado aos beijos, se encontrava ali. Afastou-se quando ela se aproximou dele e o tentou beijar.

- Hoje não, Claire. – disse apenas e passou por ela, indo assim sentar-se na sua cadeira. – E podes ir embora?

- Mas… - ela começou.

- Tenho muito trabalho. – retorquiu ele tentando dar aquele assunto como encerrado. Não estava com paciência para ela e duvidava que mais alguma vez estivesse. Tinha-se divertido algumas vezes com aquela rapariga, mas sinceramente agora tinha perdido toda a vontade de estar com ela. Quando pensava em alguém com quem queria estar a única cara que surgia nos seus pensamentos era a de Jullie. E isso era demasiado estranho e nem sequer era suposto acontecer. Jullie era a última rapariga à face da terra com quem ele queria ter algo.

Claire abriu a porta e em silêncio abandonou o escritório dele.

 

- É uma por dia, não Finn? – perguntou Colin, rindo-se, quando ao entrar no escritório de Finn se deparou com Claire a sair dali.

- Até parece. – disse o outro num meio tom de resmungo e depois fitou o amigo. – Que estás aqui a fazer? – perguntou. – Não queres trabalhar na empresa porque não gostas disto, mas passas a vida aqui metido. – gozou-o.

- Não parece, é mesmo. – riu-se levemente. – Mas vê lá se te metes com a minha irmã. É que quem lhe fizer algo de mal, sofre as consequências. – avisou-o Colin. – E estou aqui porque vim tratar de umas coisas. – encolheu os ombros. Sabia bem o porquê de não querer trabalhar naquele local, no entanto, isso não o impedia de gostar de ali estar. Além disso não se podia esquecer de ir falar com Trixie, para lhe pedir para depois passar em sua casa por causa da Jullie.

Finn engoliu em seco devido ao que Colin tinha dito sobre a irmã. – Eu só quero distância da tua irmã… - disse num tom de voz um pouco mais baixo e seguidamente encolheu os ombros, esperando que aquele assunto terminasse ali. – E uma dessas coisas passa por me vires fazer uma visita. – riu-se levemente e colocou de lado uns papéis que tinha depois de guardar nos arquivos.

Colin riu-se também. – Não sejas convencido nem gay. – mordeu o lábio para não voltar a rir-se. – Vinha perguntar-te como foi ontem com a Jullie? Espero que tenha corrido bem, lá por tua casa… - disse olhando-o.

- Sim, correu tudo bem, porquê? – perguntou com uma expressão meio confusa.

O outro encolheu ligeiramente os ombros. – Porque vocês não se dão propriamente bem e então…

- Eu sei, mas eu comportei-me e por mais estranho que pareça, ela também. – retorquiu o moreno. Não tinham discutido tanto como das outras vezes.

- Pelo menos isso. – Colin sorriu e os dois ficaram ali durante mais algum tempo na conversa. Depois disso, Colin deixou o escritório de Finn e foi procurar Trixie.

 

Trixie estava no seu escritório também, e por isso não foi difícil para Colin encontrá-la. Pediu-lhe para passar em sua casa depois do trabalho, já que Jullie queria estar com ela e Trixie concordou. A rapariga ficava sempre meia sem jeito quando estava perto de Colin, aquela paixoneta que tinha por ele já desde há muito tempo, deixava-a todo coisinha sempre que o via. Ficava triste por saber que Colin nem sequer reparava nela mas tentava não dar importância a isso, pois não servia de nada.

 

***

Depois de terminar o dia de trabalho, Trixie foi a casa de Jullie para porem a conversa em dia. Jullie não lhe contou nada do que se tinha passado entre ela e Finn na noite anterior pois sabia como Trixie ia ficar histérica com aquilo e ela dispensava isso. Não queria que a amiga começasse a fazer filmes de coisas que não existiam nem nunca iam existir.

 

O resto do dia passou com toda a normalidade, assim como os dias seguintes. Jullie ia à empresa várias vezes ajudar no que fosse preciso, e por grande coincidência, a pedido de Hannah, muitas vezes teve de ajudar Finn. Passavam metade do tempo a irritarem-se um ao outro e a outra metade a discutirem. Sempre que Finn a tentava beijar, o que não eram poucas vezes, Jullie afastava-se sempre, mesmo quando não era essa a sua vontade.

 

***

Já tinham passado quase três semanas quando Jullie decidiu ir a um bar para se divertir um pouco, ficou surpresa quando ao olhar para o lado viu que Finn também lá estava. Revirou os olhos para si própria e seguidamente desviou o olhar tentando ignorar o facto de ele também ali estar.

13 comentários

Comentar post

Pág. 1/2