Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

More than words.

More than words.

You're so bad {3}

Aquilo que Douglas tinha acabado de dizer, tinha deixado Finn um tanto surpreendido. Nunca lhe tinha sequer passado pela cabeça o facto de que Jullie podia ser filha do dono daquela enorme empresa. Mas agora começava a entender o porquê de ela estar sempre por ali como se não cumprisse horários nem nada do género. Era a filhinha do patrão, fazia o que queria e bem lhe entendesse.

O rapaz acabou por abanar ligeiramente a cabeça e sair assim daqueles seus devaneios. O facto de ela ser quem era, só o fazia odiá-la ainda mais.

- Quero lá saber disso. – acabou por dizer por entredentes. – Não deixa de ser menos irritante nem de ser mal-educada. – o rapaz levantou-se da cadeira onde se encontrava sentado e caminhou até à enorme janela que ocupava uma das paredes do seu escritório.

- Sabes o que estás a dizer, Finn? – perguntou o pai. – Não podes tentar ser simpático para ela? Sabes o que acontece se ela se lembrar de falar de ti ao Alexander? És imediatamente despedido.

O rapaz mais novo virou-se de frente para Douglas. – Ela não vai contar nada ao pai, podes ficar descansado quanto a isso. – sabia que apesar de tudo, a rapariga não ia usar o ódio que tinha por ele, para o ver a ser despedido. Ou assim pensava ele. – E mesmo que se atreva a fazer isso, arrepende-se logo depois. – concluiu.

Passou os dedos pelos seus cabelos revoltos e respirou fundo. Mesmo sem estar a vê-la, a rapariga conseguia deixá-lo irritado.

- Assim o espero. – o homem mais velho levantou-se e fitou o filho. – Vinha só aqui dizer-te que logo é para ires cedo para casa. Hoje temos aquele jantar de que te falei há algum tempo, caso não estejas recordado. – relembrou-o e viu Finn revirar os olhos. Nem se atreveu a acrescentar mais nada sobre aquele jantar, porque se o fizesse sabia que o rapaz se ia passar todo. Douglas suspirou de forma pouco audível e saiu do seu escritório.

 

Finn voltou a sentar-se na cadeira e recostou-se para trás na mesma, ficando assim perdido em pensamentos. Mas quem diria que Jullie era filha de Alexander Gautier?

- Gautier… - o rapaz pôs-se direito na cadeira, de repente. – Alexander Gautier… Jullie Gautier… - mordeu o lábio. – Colin Gautier… Não pode ser! – ele arregalou os olhos e de imediato pegou no seu iPhone.

Desbloqueou-o apressadamente e de seguida marcou o número do seu melhor amigo. Pôs o aparelho a chamar e começou a falar, logo que Colin atendeu a chamada.

- Colin não faço ideia de onde tu estejas, mas preciso que venhas imediatamente aqui à empresa. – Colin preparava-se para lhe responder, mas Finn nem lhe deu tempo de o fazer. – Anda. É urgente. Muito urgente. – desligou a chamada e pousou de novo o iPhone sobre a secretária, à sua frente.

 

Cerca de dezoito minutos depois, a porta do escritório de Finn foi aberta, e Colin entrou.

- Que raio se passa para me teres ligado daquela maneira?

O outro levantou o olhar para o amigo e revirou os olhos. – Porque é que não me disseste que a Jullie é tua irmã? – perguntou, ignorando assim a pergunta que o loiro lhe tinha feito.

Ele abanou a cabeça, com uma expressão confusa no rosto. – Porque não sabia que querias saber isso…

- É claro que queria, estou sempre a falar-te dela. – bufou para o ar. – Devias ter-me dito, eu não fazia ideia.

- Estás sempre a falar-me dela? – Colin estava cada vez mais confuso e sem entender o que o amigo estava para ali a dizer. Mas ele estava maluco ou quê? Nunca tinham sequer falado de Jullie, ou se tinham, nunca tinha sido nada demais. – Podes explicar-te Finn? Não estou a perceber nada desta conversa, sinceramente. – o rapaz caminhou até perto da secretária e sentou-se na cadeira que estava em frente a esta.

- A rapariga de quem estou sempre a falar-te, a que me irrita… a nariz empinado

- Espera lá! – Colin levantou-se de repente e do nada começou a rir-se às gargalhadas. – A famosa nariz empinado de quem tu tanto falas é a Jullie, a minha irmã? – o rapaz não conseguia evitar as gargalhadas e apenas se calou quando sentiu uma caneta bater-lhe na cabeça. – Au. – queixou-se e voltou a sentar-se.

- Não tem piada nenhuma, Colin. – resmungou o moreno com cara de amuado.

- Tem muita piada, desculpa lá. – tentou não se rir. – Nunca me passou pela cabeça que estivesses a falar da minha irmã. Mas agora até que faz algum sentido. Ela é mesmo o género de rapariga com quem tu irias implicar. – abanou a cabeça e mordeu o lábio. – E tu o género de rapaz com quem ela iria implicar também.

- Porquê? – Finn procurou saber, e seguidamente revirou os olhos, ainda nem conseguia acreditar que Jullie era filha do dono da empresa, e pior que isso, era irmã do seu melhor amigo. Haveria maior coincidência do que aquela? Ele achava que não.

- Sei lá porquê. Vocês têm os dois um feitio especial… - encolheu ligeiramente os ombros. – Iria bastar uma pequena coisinha para ficarem a implicar um com o outro.

- Que interessante. – Finn disse de forma irónica.

- Bem se era apenas isso que querias dizer-me, eu vou andando. – Colin levantou-se. – É que tenho algumas coisas para fazer as quais tu interrompeste para falar sobre a minha querida irmã. – esboçou um sorrisinho e seguidamente começou a dirigir-se para a porta. – Ainda nos vamos é tornar cunhados. – riu-se e rapidamente saiu dali de dentro, pois sabia que Finn não ia gostar nada daquele seu comentário.

 

***

- Jullie. – Colin avistou a irmã, quando esta andava pelos corredores da empresa e sorriu-lhe quando ela se virou na sua direcção.

- Colin, não sabia que estavas por aqui. – disse ela, de sobrolho franzido.

O rapaz encolheu os ombros. – Tive de vir cá fazer uma coisa… - disse apenas.

Se Finn não sabia que Jullie era irmã dele, então com toda a certeza que Jullie também não sabia que Finn era o melhor amigo dele. E não seria Colin a dizer-lhe. Ia ser bastante divertido ver a reacção da irmã, quando mais tarde descobrisse isso. Colin só tinha vontade de rir só de pensar nisso.

- Ah ok. – Jullie encolheu os ombros e preparava-se para começar a andar de novo quando Colin a chamou uma vez mais. - Diz. – ela virou-se de novo na sua direcção.

- Não te esqueças do jantar de logo à noite.

- Não me vou esquecer. – a rapariga loira esboçou um meio sorriso e seguidamente começou a avançar pelo corredor.

Colin começou também a andar, na direcção oposta à dela. Estava a morrer de curiosidade para ver como ia ser o jantar daquela noite, quando Jullie visse por lá Finn, com ele… E descobrisse que eles se conheciam, ou melhor, que eram os melhores amigos um do outro.

8 comentários

Comentar post